MEMBRO   FENPROF | CGTP
  spn.pt  |  Revista  |  Superior  |  WebMail  |  Reuniões  |  Vencimentos  |  Protocolos  |  Contactos
  
SPN    Superior    Arquivo    ELEIÇÕES NO IPP - 6 perguntas para 3 candidatos
Imprimir
Abrir como PDF

Partilhar:

|


MENU

FENPROF.pt/superior
 
SUPNOTÍCIAS

EDIÇÃO DE ABRIL 2013 | MENSAL
versão PDF | ler online

edições anteriores
março 2013 PDF online
fevereiro 2012 PDF online
dezembro 2012 PDF online
novembro 2012 PDF online
setembro 2012 PDF online
julho 2012 PDF
online
junho 2012 PDF online
maio 2012 PDF online
abril 2012 PDF online
março 2012 PDF online
fevereiro 2012 PDF online

 


ELEIÇÕES NO IPP - 6 perguntas para 3 candidatos

Por proposta do SPN, subscrita também pelo SNESUP, os candidatos à Presidência do IPP foram formalmente questionados sobre a famigerada Bolsa de Emprego do IPP

 

Carta aos candidatos:

 

É hoje notório que o processo relativo à "Bolsa de Emprego" para docentes do IPP, que traçava linhas de orientação para o recrutamento de pessoal docente especialmente contratado, introduziu um grande mal-estar nas instituições, e muito em particular no ISEP, afectando já o seu dia a dia.

É hoje claro que, por muito louváveis que sejam (e são) as intenções subjacentes a este processo, o modo como ele foi conduzido e concluído não correspondeu aos propósitos enunciados, induzindo mesmo mais perturbação do que benefícios para as escolas.

Acresce ainda que, quando a resolução surgiu regulamentada, vinha de facto com efeitos retroactivos. As informações existentes apontam para que o Regulamento elaborado pelo Presidente do IPP não se restringe ao recrutamento de novos docentes especialmente contratados, se aplica também a contratos cuja resolução em sede de Conselhos Científicos é anterior à data desse mesmo Regulamento.

Obviamente que não se discute a necessidade de regular de forma harmoniosa o modo de funcionamento das diferentes escolas do IPP. Duvida-se é que essa harmonização tenha que ser feita por centralização das decisões no topo da estrutura, Não é esse o sentido da afirmação no plano normativo de que as escolas têm autonomia científica. Nesta como noutras situações é de bom senso fazer prevalecer o princípio da subsidariedade. As questões devem ser resolvidas ao nível a que têm uma melhor e uma mais eficaz resposta. E este será no caso o nível da escola.

 

Dois princípios entendemos deverem estar sempre presentes. O princípio do respeito pelas autonomias consagradas na lei e o princípio da indispensabilidade da prestação de contas por parte dos diferentes órgãos e instituições.

 

Num momento em que se debatem no IPP linhas programáticas para a actividade futura, no âmbito da eleição para a Presidência do IPP e exprimindo o sentimento de um grande número de docentes do IPP (e, em particular do ISEP) o Sindicato dos Professores do Norte e o Sindicato Nacional do Ensino Superior colocam seis questões aos três candidatos à Presidência do IPP, que esperam ver respondidas em tempo útil, a fim de informar a comunidade académica.

 

PERGUNTAS:

 

1 - Como Presidente eleito vai, ou não, revogar o Despacho IPP/PR-XXX/2006 "Regulamento de Pessoal Especialmente Contratado - "Bolsa de Emprego", de 20/2/2006?

 

2 - Em caso afirmativo, pensa que a solução alternativa deve ser definida a nível central ou ao nível dos órgãos competentes da escola?

3 - Defende o princípio da retroactividade das deliberações e regulamentos aprovados, ou a aprovar, no âmbito da esfera de competências do IPP?

 

4 - De qualquer modo, entende poder vir a não dar seguimento, e portanto a concretizar, decisões assumidas pelos órgãos próprios anteriormente à entrada em vigor do "Regulamento de Pessoal Especialmente Contratado" (20/2/2006)?

 

5 - Na ausência de quaisquer perspectivas de progressão na carreira docente, por clara desadequação dos quadros aprovados ou mesmo por inexistência de quadro, defende ou não a existência de estímulos que devem ser concedidos aos actuais docentes que se destacam pelo seu desempenho?

 

6 - Tenciona consultar os sindicatos sobre este processo da bolsa de emprego?

 

 

 

 

Porto, 4/5/2006