MEMBRO   FENPROF | CGTP
  spn.pt  |  Revista  |  Superior  |  WebMail  |  Reuniões  |  Vencimentos  |  Protocolos  |  Contactos
  
SPN    Superior    Arquivo    AVALIAÇÃO do Ensino Superior
Imprimir
Abrir como PDF

Partilhar:

|


MENU

FENPROF.pt/superior
 
SUPNOTÍCIAS

EDIÇÃO DE ABRIL 2013 | MENSAL
versão PDF | ler online

edições anteriores
março 2013 PDF online
fevereiro 2012 PDF online
dezembro 2012 PDF online
novembro 2012 PDF online
setembro 2012 PDF online
julho 2012 PDF
online
junho 2012 PDF online
maio 2012 PDF online
abril 2012 PDF online
março 2012 PDF online
fevereiro 2012 PDF online

 


AVALIAÇÃO do Ensino Superior

Novo Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior já está em vigor

 

Conheça a lei.

Faça aqui o download do texto publicado em Diário da República a 16 de Agosto.

 

 

Parecer da FENPROF

Parecer sobre a Proposta de Lei nº 126/X

 

sobre a Avaliação da Qualidade do Ensino Superior

 

 

Depois de um largo período em que o CNAVES esteve neutralizado e a avaliação das propostas de adequação a Bolonha dos novos ciclos de estudo, governamentalizada, surge uma proposta de lei do Governo sobre a Avaliação da Qualidade do Ensino Superior, cerca de 6 meses após a apresentação do relatório da ENQA.

 

A FENPROF tem sempre apoiado a existência de um sistema de avaliação do sistema de ensino superior, das instituições e dos cursos, que tenha por objectivo principal a melhoria da sua qualidade e da sua relevância social, bem como do aumento da sua eficácia e da sua eficiência.

 

A avaliação deverá ter, no entender da FENPROF, uma componente interna - a auto-avaliação - processo que considera central para a consolidação de uma cultura de constante e sustentada melhoria da qualidade.

 

A componente de avaliação externa, essencial para o estabelecimento de padrões de exigência comuns, deve ser respeitadora da missão própria de cada uma das instituições e do ensino superior em geral, em particular do primado do interesse público, o apoio a todos os domínios do saber, sem excepção, e a não subordinação da sua actividade aos interesses imediatos da economia e às regras de mercado, e deve ser independente quer de governos, quer das instituições avaliadas.

 

Não é possível, naturalmente, pelo enunciado do artº 4º, concluir quanto ao maior ou menor equilíbrio e adequação na utilização dos parâmetros descritos e quanto à sua importância relativa na apresentação dos resultados da avaliação e nos seus efeitos.

 

Esta é a questão que mais preocupa a FENPROF. De facto, só dos estatutos e da actuação concreta da futura Agência de Avaliação e Acreditação se poderá deduzir se a avaliação vai ser efectivamente respeitadora das missões próprias de cada instituição e das relativas ao ensino superior em geral.

 

Avulta, no entanto, desde já, quanto a esta proposta de lei, a intenção muito negativa de criação de "rankings" oficiais das instituições (artº 22º). A FENPROF opõe-se fortemente a que a riqueza multifacetada da actividade das instituições possa ser reduzida a um simples número, para efeitos de seriação. Esta intenção contraria até o que o Governo propõem na alínea a) do nº 1, do artº 15º, onde fala apenas da atribuição de uma classificação qualitativa e não de uma classificação quantitativa exigida pela elaboração de qualquer tipo de "rankings". A Proposta da FENPROF é a de que seja eliminado o artº 22º, assim como no nº 1, alínea b) do artº 15 se deve eliminar a palavra "ordenar".

 

A questão da independência da avaliação face ao governo e às instituições deveria, no parecer da FENPROF ficar claramente estatuída no diploma, para que depois a Agência de Avaliação e de Acreditação reflicta essa exigência legal, ao contrário do que sucede no projecto de decreto-lei que o Governo pôs a discussão pública.

 

Igualmente deveria ficar estabelecido na lei que os custos da avaliação externa deveriam ser totalmente contemplados no orçamento da futura Agência de Avaliação e de Acreditação, evitando-se, assim, que tais custos venham a onerar os orçamentos de funcionamento das instituições que têm sido tão castigados pelos violentos cortes orçamentais que têm sofrido por parte deste e de anteriores governos.

 

 

04/06/2007

 

O Secretariado Nacional