MEMBRO   FENPROF | CGTP

  spn.pt  |  Revista  |  Superior  |  WebMail  |  Reuniões  |  Vencimentos  |  Protocolos  |  Contactos
  
SPN    Superior    Arquivo    Razões para a Indignação
Imprimir
Abrir como PDF

Partilhar:

|


MENU

FENPROF.pt/superior
 
SUPNOTÍCIAS

EDIÇÃO DE ABRIL 2013 | MENSAL
versão PDF | ler online

edições anteriores
março 2013 PDF online
fevereiro 2012 PDF online
dezembro 2012 PDF online
novembro 2012 PDF online
setembro 2012 PDF online
julho 2012 PDF
online
junho 2012 PDF online
maio 2012 PDF online
abril 2012 PDF online
março 2012 PDF online
fevereiro 2012 PDF online

 


Razões para a Indignação

Os docentes e os investigadores têm razões para se associarem, no Sábado,
à Marcha da Indignação

- O Governo acentua a asfixia financeira do ensino superior público (cortes de 15% em 2007 e de 8% em 2008).

- O Ministério põe em causa direitos de carreira nos "contratos de saneamento económico e financeiro" que aplica às instituições mais deficitárias, procurando impor-lhes restrições a sabáticas e a dispensas de serviço docente para doutoramento, e anunciou aos Reitores que os actuais assistentes, uma vez doutorados, já não passarão professores auxiliares.

- O Governo, após manter congeladas as progressões nos escalões durante mais de 2 anos (quase 1 escalão a menos para muitos) pôs, a partir de 1 de Janeiro, de novo o cronómetro a funcionar, mas o Ministro nada faz e nada propõe para os efeitos da contagem deste tempo, que terá que se basear numa avaliação de desempenho a definir.

- Reduz fortemente (passa para metade em 2 anos) o número de concursos abertos, revelando as dificuldades financeiras e limitando a avaliação e o direito a uma carreira.

- O Ministro mantém, desde há 3 anos, um sistema burocratizado e governamentalizado de avaliação dos cursos, que permite a arbitrariedade. Paralisou o CNAVES e a implantação da Agência de Avaliação e Acreditação.

- A FCT atrasa-se enormemente na avaliação e no financiamento de projectos e de unidades de investigação, e não transfere para as instituições o dinheiro dos gastos gerais que estas despendem em apoio daquelas actividades.

Tem que ser sustida esta política de recessão forçada do ensino superior público que põe em acusa o desenvolvimento nacional e agrava a situação profissional dos docentes e investigadores.

Marcha da Indignação, Sábado, 8/3, às 14h30, Lisboa,

Marquês de Pombal - Terreiro do Paço

FENPROF - Ensino Superior

6.03.08