MEMBRO   FENPROF | CGTP

  spn.pt  |  Revista  |  Superior  |  WebMail  |  Reuniões  |  Vencimentos  |  Protocolos  |  Contactos
  
SPN    Superior    Arquivo    Mariano Gago recebeu uma delegação sindical da FENPROF e do SNESup
Imprimir
Abrir como PDF

Partilhar:

|


MENU

FENPROF.pt/superior
 
SUPNOTÍCIAS

EDIÇÃO DE ABRIL 2013 | MENSAL
versão PDF | ler online

edições anteriores
março 2013 PDF online
fevereiro 2012 PDF online
dezembro 2012 PDF online
novembro 2012 PDF online
setembro 2012 PDF online
julho 2012 PDF
online
junho 2012 PDF online
maio 2012 PDF online
abril 2012 PDF online
março 2012 PDF online
fevereiro 2012 PDF online

 


Mariano Gago recebeu uma delegação sindical da FENPROF e do SNESup

No início da reunião, a delegação sindical entregou ao Ministro um exemplar da petição "É urgente negociar vínculos e remunerações no ensino superior" com mais de 3500 assinaturas de docentes e investigadores.

 

Os representantes sindicais começaram por manifestar o seu desacordo pelo prolongado silêncio do Ministro ao seu pedido feito a 2 de Abril e deram conta da intranquilidade dos docentes do Ensino Superior face às transformações gerais que estão a ocorrer na Função Pública e das dificuldade financeiras das escolas que têm sido fonte de grande instabilidade laboral e posto em causa a qualidade do Ensino.

Sobre os sete pontos da ordem de trabalhos, para uma reunião de apenas duas horas, salientamos que os representantes dos sindicatos começaram por manifestar a opinião de que os Mapas de Pessoal, que já vão acompanhar o próximo Orçamento do Estado, poderiam ser uma oportunidade de reduzir a grande precariedade dos docentes do Ensino Superior Politécnico, considerando como Pessoal Contratado por Tempo Indeterminado professores equiparados com elevadas qualificações e dedicação exclusiva durante muito tempo. O Ministro afastou essa possibilidade nesta fase ao considerar que são regras transitórias que apenas irá considerar na revisão dos estatutos.

Sobre a situação de congelamento dos escalões das carreiras, foi denunciada a injustiça pelo facto de as carreiras do Ensino Superior serem praticamente as únicas que continuam congeladas por falta de legislação do Ministério, tendo-se o ministro remetido ao silêncio e apenas mais tarde ter considerado a possibilidade de estudar propostas que os sindicatos queiram fazer em Reuniões Técnicas que foram consideradas entre o Ministério e os Sindicatos.

Sobre a legislação especial prevista no RJIES acerca do regime laboral dos docentes do Ensino Superior Particular e Cooperativo, o ministro prometeu promover uma plataforma de diálogo entre a associação patronal, a APESP, e os sindicatos antes de elaborar uma proposta de lei.

Sobre a possibilidade de serem criados mecanismos de resolução de conflitos por via extra-judicial, o ministro considerou-a uma questão que diz especialmente respeito às instituições do Ensino Superior, comprometendo-se a encaminhar para o CRUP e o CCISP as ideias e propostas sindicais.

Sobre as preocupações dos docentes e das instituições pelas reduções brutais de financiamento que têm reduzido a Autonomia a uma figura de retórica, o ministro admitiu cruamente que o governo tinha analisado com detalhe as contas das instituições do Ensino Superior, tendo observado que particularmente as Universidades tinham gerado saldos por via de projectos de investigação e desenvolvimento e de outras receitas próprias, que poderiam muito bem contribuir para a redução do défice orçamental. E que na mesma perspectiva, os financiamentos futuros estavam dependentes das politicas gerais de contenção orçamental.

Por fim o ministro afirmou explicitamente que apenas iria abordar a revisão dos estatutos das carreiras dos docentes do Ensino Superior depois da aprovação do novo Regime de Contrato de Trabalho em Funções Públicas, admitindo porém Reuniões Técnicas entre o Ministério e os Sindicatos tendo a primeira sido acordada para meados de Julho.

Lisboa, 30 de Junho de 2008.

O Departamento de Ensino Superior da FENPROF