MEMBRO   FENPROF | CGTP

  spn.pt  |  Revista  |  Superior  |  WebMail  |  Reuniões  |  Vencimentos  |  Protocolos  |  Contactos
  
SPN    Superior    Arquivo    VAZIO DE SOLUÇÕES PODERÁ AGRAVAR PROBLEMAS NO SECTOR
Imprimir
Abrir como PDF

Partilhar:

|


MENU

FENPROF.pt/superior
 
SUPNOTÍCIAS

EDIÇÃO DE ABRIL 2013 | MENSAL
versão PDF | ler online

edições anteriores
março 2013 PDF online
fevereiro 2012 PDF online
dezembro 2012 PDF online
novembro 2012 PDF online
setembro 2012 PDF online
julho 2012 PDF
online
junho 2012 PDF online
maio 2012 PDF online
abril 2012 PDF online
março 2012 PDF online
fevereiro 2012 PDF online

 


VAZIO DE SOLUÇÕES PODERÁ AGRAVAR PROBLEMAS NO SECTOR

Finalmente, Mariano Gago recebeu Sindicatos

Depois de transmitir o desagrado por um ano de silêncio do Ministro, a preocupação pela intranquilidade dos docentes do Ensino Superior face às transformações gerais que estão a ocorrer na Administração Pública e o descontentamento pelas dificuldades financeiras das escolas, que têm sido fonte de grande instabilidade laboral e posto em causa a qualidade do Ensino, a delegação sindical, composta por dirigentes da FENPROF e do SNESup, reunida com o Ministro Mariano Gago, referiu o seguinte:

 

1. Tendo em conta que o próximo Orçamento de Estado já deverá considerar os novos Mapas de Pessoal, as organizações sindicais presentes defenderam a oportunidade de reduzir a grande precariedade dos docentes do Ensino Superior Politécnico, considerando como Pessoal Contratado por Tempo Indeterminado professores equiparados com elevadas qualificações e dedicação exclusiva durante muito tempo. [Sobre esta matéria, o Ministro afastou qualquer possibilidade de, nesta fase, poderem ser consideradas as propostas dos sindicatos, defendendo que essas regras (transitórias) deverão passar para o processo de negociação dos Estatutos de Carreira].

 

 

2. Quanto à manutenção do congelamento da progressão nos escalões das carreiras, foi denunciada a injustiça que resulta do facto de as carreiras do Ensino Superior serem praticamente as únicas que continuam congeladas por falta de legislação do Ministério. [O Ministro admitiu a possibilidade de estudar propostas que os sindicatos queiram fazer em Reuniões Técnicas].

 

 

3. Foi reclamada a negociação e aprovação de legislação especial, como, aliás, se encontra previsto no RJIES, com vista à consagração de regulação específica do regime laboral dos docentes do Ensino Superior Particular e Cooperativo. [O ministro prometeu promover uma plataforma de diálogo entre a associação patronal, a APESP, e os sindicatos antes de elaborar uma proposta de lei].

 

 

Sobre a possibilidade de serem criados mecanismos de resolução de conflitos por via extra-judicial, o ministro considerou-a uma questão que diz especialmente respeito às instituições do Ensino Superior, comprometendo-se a encaminhar para o CRUP e o CCISP as ideias e propostas sindicais.

 

 

4. Os Sindicatos transmitiram grande apreensão, preocupação e indignação dos docentes e das instituições pelas reduções brutais de financiamento do ensino superior público. Tal sufoco orçamental é um atropelo à Autonomia e tem contribuído para a redução das condições do seu exercício. [Sobre esta matéria, Mariano Gago reconheceu a existência efectiva desse corte, confirmando a sua intencionalidade, mas procurou relativizar as suas graves consequências através de uma manipulação numérica baseada no aumento que teria ocorrido nos orçamentos globais (incluindo todas as receitas e despesas) de todo o sistema, incluindo nesse cálculo as receitas e despesas de projectos de investigação e desenvolvimento que são consignadas. Prometeu, contudo, que para 2009 haveria um ?envelope financeiro? mais elevado].

 

 

5. Foi colocada a necessidade de abertura imediata de negociações sobre a revisão dos Estatutos de Carreira, designadamente devido às alterações em curso na Administração Pública, as quais, se aplicadas sem ter em conta a especificidade do exercício de funções docentes e de investigação poderão ser desastrosas para o futuro profissional de milhares de docentes e para o futuro das próprias instituições. [Mariano Gago rejeitou qualquer negociação de imediato, atirando-a para depois de aprovado o Regime de Contrato de Trabalho em Funções Públicas. Admitiu, no entanto, iniciar, desde já, reuniões técnicas entre Ministério e Sindicatos, sendo que a primeira poderá ocorrer já em meados de Julho].

 

 

A delegação sindical procedeu à entrega do Abaixo-Assinado online "É urgente negociar vínculos e remunerações no ensino superior", com mais de 3500 assinaturas de docentes e investigadores.

 

 

Para a FENPROF, esta reunião revelou-se pouco mais do que esclarecedora das intenções do Ministro. Manter este clima de afastamento e de desresponsabilização pela situação que Docentes, Investigadores e Instituições estão a passar (sub-financiamento, instabilidade, profunda precariedade e incerteza, em crescente asfixia profissional e funcional) poderá ser desastroso e irreparável.

 

 

Caso o MCTES não altere o seu comportamento e não assuma as suas responsabilidades pela actual situação, com vista a alterá-la positivamente, não restará aos professores outra coisa que não o recurso a formas de luta e de intervenção que garantam a satisfação de três objectivos fundamentais:

 

 

·        a mobilização de docentes e investigadores;

 

·        o esclarecimento da opinião pública;

 

·        a resolução dos problemas que se colocam cada vez mais ao ensino superior.

 

 

O Secretariado Nacional da FENPROF