MEMBRO   FENPROF | CGTP

  spn.pt  |  Revista  |  Superior  |  WebMail  |  Reuniões  |  Vencimentos  |  Protocolos  |  Contactos
  
SPN    Superior    Arquivo    FENPROF reuniu no Ministério
Imprimir
Abrir como PDF

Partilhar:

|


MENU

FENPROF.pt/superior
 
SUPNOTÍCIAS

EDIÇÃO DE ABRIL 2013 | MENSAL
versão PDF | ler online

edições anteriores
março 2013 PDF online
fevereiro 2012 PDF online
dezembro 2012 PDF online
novembro 2012 PDF online
setembro 2012 PDF online
julho 2012 PDF
online
junho 2012 PDF online
maio 2012 PDF online
abril 2012 PDF online
março 2012 PDF online
fevereiro 2012 PDF online

 


FENPROF reuniu no Ministério

O Ministro insiste nos concursos como forma única para o regime transitório dos docentes do Ensino Superior Politécnico, não garantindo uma transição justa

O Ministro recua na estrutura do pessoal das Instituições Politécnicas, considerando que devem ter pelo menos 60% de professores de carreira e um mínimo de 25% de convidados.

A FENPROF insistiu numa solução de atribuição de contratos por tempo indeterminado, para quem esteja a desempenhar funções permanentes, condicionados à aquisição de qualificações ou à aprovação em provas públicas

A FENPROF exigiu garantias efectivas de criação das condições indispensáveis para a aquisição das qualificações, em particular, da dispensa de serviço docente pelo tempo necessário

 

Cara(o) Colega, 

A FENPROF reuniu com o Ministro da Ciência Tecnologia e Ensino Superior para a continuação das negociações dos estatutos das carreiras docentes do ensino superior.

Nesta reunião, a FENPROF apresentou ao Ministro uma proposta detalhada visando a aquisição de um vínculo estável por parte dos docentes que se encontram fora da carreira a exercer funções permanentes, em regime de tempo integral ou em dedicação exclusiva.

O Ministro afirmou ir remeter aos sindicatos um documento com novas propostas, em particular, quanto aos regimes de transição, tendo transmitido oralmente à FENPROF as suas linhas gerais.

Nessa sua intervenção, contrapôs um conjunto de alterações aos projectos de estatutos que correspondem a uma significativa cedência às manifestações de descontentamento e de indignação expressas no Plenário de Docentes do Politécnico, promovido de forma descentralizada por todo o país pela FENPROF, e constante da Moção aí aprovada, bem como de outras iniciativas.

A proposta do Ministro, dirigida sobretudo aos regimes de transição do Politécnico e do Universitário. Quanto ao Politécnico, estabelece como mínimo o dobro do número de lugares de professores de carreira que anteriormente era indicado no projecto para o Politécnico; alarga significativamente, para 6 anos, o prazo em que os contratos dos docentes equiparados poderão continuar a ser renovados, nas actuais condições, podendo-se manter os regimes de tempo integral ou de dedicação exclusiva. Quanto ao Universitário, aumenta de 3 para 4 anos o prazo para que os assistentes, assistentes convidados e professores auxiliares convidados (estes 2 últimos só agora contemplados) possa passar a professores auxiliares após o doutoramento.

Quanto aos docentes equiparados do Politécnico já detentores de doutoramento não aceitou a aplicação de regras semelhantes.

A FENPROF irá agora analisar as novas propostas do MCTES, confrontando-as com os objectivos reivindicativos principais que definiu para estas negociações: a drástica redução da precariedade; a garantia do direito a uma carreira e a qualificação e dignificação da função docente no ensino superior.

Qualquer que seja o regime transitório que venha a ser aprovado, a FENPROF vincou ao Ministro que o êxito desse processo apenas será conseguido se forem proporcionadas aos docentes as condições de formação e de qualificação indispensáveis, nomeadamente no que se refere ao tempo necessário de dispensa de serviço docente.

 

Pl'O Secretariado Nacional

João Cunha Serra

Coordenador do Departamento do Ensino Superior e Investigação


 

12 de Maio de 2009