MEMBRO   FENPROF | CGTP

  spn.pt  |  Revista  |  Superior  |  WebMail  |  Reuniões  |  Vencimentos  |  Protocolos  |  Contactos
  
SPN    Superior    Arquivo    Posição da Plataforma Reivindicativa Comum
Imprimir
Abrir como PDF

Partilhar:

|


MENU

FENPROF.pt/superior
 
SUPNOTÍCIAS

EDIÇÃO DE ABRIL 2013 | MENSAL
versão PDF | ler online

edições anteriores
março 2013 PDF online
fevereiro 2012 PDF online
dezembro 2012 PDF online
novembro 2012 PDF online
setembro 2012 PDF online
julho 2012 PDF
online
junho 2012 PDF online
maio 2012 PDF online
abril 2012 PDF online
março 2012 PDF online
fevereiro 2012 PDF online

 


Posição da Plataforma Reivindicativa Comum

Sindicato dos Professores do Norte / FENPROF

Posição da PRC sobre o Anteprojecto de ECDU entregue pelo MEem 27 de Março de 2001

A Proposta do ME:

·      aumenta as exigências profissionais, sem quaisquer contrapartidas;

·       retira direitos;

·      mantém a carreira desvalorizada e precária;

·      ignora as principais reivindicações dos docentes;

·      visa reduzir custos salariais.

1. Aumentam as exigências profissionais sem quaisquer contrapartidas: cria-se a condição de entrega de um plano de actividades para a entrada no regime de dedicação exclusiva e prevê-se a possibilidade de recusa da permanência nesse regime; exigem-se aos assistentes que se doutoram provas adicionais para a passagem a professor auxiliar; transformam-se todas as provas documentais em provas públicas; elimina-se a prova de agregação e integra-se, no concurso para professor catedrático, prova idêntica, a ser realizada tantas vezes quantos os concursos para professor catedrático a que um docente venha a ter que se candidatar, por insuficiência de vagas.

2. Todo o articulado aponta para a redução dos encargos salariais que resultam: da abolição da agregação que representava um estímulo à qualificação e uma mitigação do bloqueamento das promoções a catedrático e a associado; da eliminação da possibilidade dos assistentes, dos leitores e dos convidados a optarem pelo regime de dedicação exclusiva; e da introdução da possibilidade de recusar a permanência neste regime.

3. Como agravante, o ME recusa-se a reconhecer a validade do acordo firmado em 1996, cujo cumprimento levaria actualmente a um acréscimo salarial de 3,3%, para todas as categorias das carreiras do ensino superior e da investigação, que passará a 5%, a partir de 1 de Outubro próximo.

4. Os novos assistentes são desqualificados e desvalorizados, pois, para além de lhes ser recusada a dedicação exclusiva - ficando assim desvalorizados em relação aos assistentes de investigação, categoria com a qual sempre estiveram equiparados em termos remuneratórios -, é-lhes retirado o direito a dispensa de serviço para doutoramento, é-lhes exigida uma nova prova pública para ascender a professor auxiliar e é-lhes subtraído o direito a recusar prestar serviço, simultaneamente, em mais do que uma disciplina.

5. Entretanto, as principais reivindicações dos docentes e dos investigadores, veiculadas pela PRC, não são minimamente contempladas, antes são agravados os motivos que levaram à sua apresentação: não são criados quadros de dotação global, permanecendo as mesmas limitações administrativas à promoção agora agravadas pela eliminação da prova de agregação, que permitia mitigar esta limitação; não é previsto nenhum mecanismo de vinculação estável à função pública ao fim de 3 anos de serviço; e não é garantida a reconversão profissional noutras carreiras da função pública, quando se recusa aos assistentes o ingresso na carreira ou aos professores a nomeação definitiva.

6. Ao aumentar o número de provas públicas e tentar implementar um sistema de maioria de membros de júri externos à unidade orgânica, sem recursos humanos que o sustentem, o ME acaba por comprometer a adequação dos júris às suas tarefas de avaliação. Concretamente, é permitida a presença de vogais fora da área para que é aberto um concurso e a deliberação com uma maioria de membros fora dessa ou de área afim. Por outro lado, podem agravar-se os problemas de independência de julgamento dos membros dos júris, ao admitir-se, sem qualquer restrição, a participação de professores de categoria igual à dos lugares a prover (que num concurso a que se apresentem no futuro, terão com grande probabilidade, nos respectivos júris, professores que foram seus pares noutros júris).

Neste contexto, a PRC entende que este anteprojecto é um documento inaceitável na generalidade e terá, necessariamente, de sofrer alterações de fundo no sentido da satisfação das reivindicações dos docentes.

Lisboa, 5 de Abril de 2001

A Plataforma Reivindicativa Comum