MEMBRO   FENPROF | CGTP
  spn.pt  |  Revista  |  Superior  |  WebMail  |  Reuniões  |  Vencimentos  |  Protocolos  |  Contactos
  
SPN    Superior    Arquivo    FENPROF reúne com Mariano Gago
Imprimir
Abrir como PDF

Partilhar:

|


MENU

FENPROF.pt/superior
 
SUPNOTÍCIAS

EDIÇÃO DE ABRIL 2013 | MENSAL
versão PDF | ler online

edições anteriores
março 2013 PDF online
fevereiro 2012 PDF online
dezembro 2012 PDF online
novembro 2012 PDF online
setembro 2012 PDF online
julho 2012 PDF
online
junho 2012 PDF online
maio 2012 PDF online
abril 2012 PDF online
março 2012 PDF online
fevereiro 2012 PDF online

 


FENPROF reúne com Mariano Gago

FENPROF reúne com Mariano Gago

Instituições irão ter que pôr as vagas a concurso

Manter-se-ão as excepções ao mínimo de 20 alunos à entrada dos cursos

Calendário negocial será apresentado em Junho

Na reunião que hoje teve com o Ministro Mariano Gago a FENPROF reafirmou as suas posições relativamente à necessidade de melhorar a qualidade e a relevância social do sistema de ensino superior e promover o sucesso escolar, no âmbito do objectivo da qualificação da população activa portuguesa.

A FENPROF manifestou igualmente ao Ministro a urgência da tomada de medidas destinadas à melhoria da situação profissional dos docentes, tanto do ensino público como do privado (direito a uma carreira, que a muitos é negada, e possibilidade de obtenção de vínculo estável; desbloqueamento das promoções; transparência nos concursos e valorização da actividade pedagógica), para a negociação das quais reclamou a fixação de um calendário.

A este propósito Mariano Gago referiu encontrarem-se em curso iniciativas de aplicação do Processo de Bolonha, às quais se seguirá a proposta de uma nova lei de autonomia, e que apenas se encontrará em condições de apresentar um calendário negocial relativo a questões de carreiras no próximo mês de Junho. No entanto, afirmou que iria tomar medidas para forçar as instituições a abrirem concursos para as vagas de que dispõem nos seus quadros.

Foram discutidas as questões da aplicação do Processo de Bolonha, designadamente as alterações propostas pelo Governo à Lei de Bases do Sistema Educativo, bem como as medidas de racionalização do Sistema recentemente anunciadas, relacionadas com a elevação para 20 do número mínimo alunos a ingressar numa licenciatura.

O Ministro informou FENPROF de que teria que ser criada um Agência Nacional de Acreditação e que o actual sistema de avaliação teria que ser internacionalizado e abranger não apenas os cursos mas as próprias instituições. Assegurou à FENPROF que as excepções já contidas na lei, que permitem que certos cursos funcionem com números mais reduzidos de alunos, não iriam ser modificadas e que o seu objectivo não era o de despedir docentes mas apenas o de levar as instituições a reorganizarem, nos próximos 4 anos, a sua oferta formativa de modo a utilizarem mais racionalmente os respectivos recursos.

Relativamente à posição da FENPROF favorável a que as instituições sejam apoiadas para oferecerem mais cursos destinados a alunos já inseridos no mercado de trabalho em horários pós-laborais, Mariano Gago referiu que tentaria ajudar as instituições a quebrar a sua natural inércia quanto a este tipo de iniciativas.

Portanto, algumas expectativas positivas a aguardar confirmação.

10/05/2005

FENPROF - Ensino Superior

João Cunha Serra

PARA MAIS INFORMAÇÕES CONTACTE O SPN : spnsup@spn.pt / mario.carvalho@spn.pt / 226070500