MEMBRO   FENPROF | CGTP

  spn.pt  |  Revista  |  Superior  |  WebMail  |  Reuniões  |  Vencimentos  |  Protocolos  |  Contactos
  
SPN    Superior    Arquivo    Agência de Acreditação vai reavaliar todos os cursos superiores até 2009
Imprimir
Abrir como PDF

Partilhar:

|


MENU

FENPROF.pt/superior
 
SUPNOTÍCIAS

EDIÇÃO DE ABRIL 2013 | MENSAL
versão PDF | ler online

edições anteriores
março 2013 PDF online
fevereiro 2012 PDF online
dezembro 2012 PDF online
novembro 2012 PDF online
setembro 2012 PDF online
julho 2012 PDF
online
junho 2012 PDF online
maio 2012 PDF online
abril 2012 PDF online
março 2012 PDF online
fevereiro 2012 PDF online

 


Agência de Acreditação vai reavaliar todos os cursos superiores até 2009

 futura Agência de Acreditação e Avaliação do Ensino Superior, cuja criação foi aprovada pelo Conselho de Ministros na quinta-feira, terá desde logo a hercúlea tarefa de reavaliar os mais de 2500 cursos superiores existentes em Portugal. Um desafio que o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Mariano Gago, espera ver cumprido "no prazo de dois anos"

Em declarações ao "DN", o ministro explicou que o decreto-lei que institui esta entidade já foi enviado aos parceiros sociais, entrando agora em fase de discussão pública. Mas a expectativa é que "até ao fim deste mês" possa ser oficializada a criação da agência. Tendo em conta "um mínimo de seis meses" para a fase de instalação, as apreciações a fazer já não deverão ter efeito nos cursos que vão abrir no próximo ano lectivo. Mariano Gago espera, no entanto, que as certificações "possam arrancar a partir de Outubro, entrando em fase de cruzeiro em 2008".

Segundo o ministro, a reavaliação deverá incidir apenas nos cursos já adaptados ao modelo de graus e diplomas do Processo de Bolonha - três ciclos, com a licenciatura a durar tipicamente três anos. Os restantes, como terão obrigatoriamente de desaparecer até 2009, serão naturalmente eliminados. Mesmo assim estará em causa um número acima dos 2 500 cursos.

Em 2005/2006, excluindo doutoramentos, havia em Portugal um total de 2634 cursos, nos sectores público e privado. Em Junho do ano passado, tinham sido entregues 1470 pedidos de criação ou de adequação ao processo de Bolonha. Decorreu entretanto uma segunda fase em Novembro, tendo em vista o próximo ano lectivo, e a expectativa é de que em 2007/2008, pelo menos nas licenciaturas, 90% da oferta já esteja convertida a Bolonha. À agência de Acreditação caberá agora reapreciar todos os processos.

Três milhões de euros iniciais

"Precisamente devido ao esforço que será exigido", explicou Mariano Gago, a agência, que terá estatuto de fundação, vai receber uma dotação inicial de três milhões de euros, saídos dos cofres do ministério. Mas depois não haverá mais investimento estatal: "A filosofia, baseada nos modelos internacionais apresentados pela ENQA [Agência Europeia de Garantia de Qualidade no Ensino Superior] assenta num forte investimento inicial e depois numa total autonomia."

A principal fonte de financiamento serão as contribuições feitas pelas instituições do ensino superior, nomeadamente nos pedidos de certificação de novos cursos. Verbas que, segundo o ministro, serão "bastante" inferiores às que estas pagam hoje a outras entidades, como as ordens profissionais, pelas apreciações dos seus cursos.

A agência terá um conselho executivo, com um máximo de cinco elementos, e um conselho consultivo com representantes de todas as entidades representativas no superior - associações de instituições, alunos, ministérios, entre outros. Os recursos sobre decisões serão analisados por um conselho de revisão, que terá um máximo de cinco elementos, três dos quais estrangeiros.

DN, 3/02/2007