Educadores de infância excluídos do PCDD

Partilha

30 de dezembro de 2020

Educadores de infância excluídos do PCDD

Fenprof repudia decisão e exige esclarecimento sobre a exclusão dos educadores de infância do Plano de Capacitação Digital dos Docentes (PCDD).

A Fenprof tomou conhecimento da informação enviada pelo Di designadamente no que respeita ao programa de digitalização para as escolas retor-Geral de Educação (DGE) aos diretores e presidentes de CAP de agrupamentos de escolas e escolas não agrupadas (AE/ENA) sobre o Plano de Capacitação Digital de Docentes, tendo verificado que são excluídos os do “ensino” pré-escolar referindo-se, decerto, aos educadores de infância, docentes de educação pré-escolar.

Relendo a Resolução do Conselho de Ministros n.º 30/2020, de 21 de abril, que aprova o Plano de Ação para a Transição Digital, em nenhum lado se vislumbra motivo para a exclusão dos educadores de infância do plano de formação de docentes (Plano de Capacitação Digital de Docentes), nem a razão pela qual não se prevê distribuição de computadores às crianças dos jardins-de-infância.

Há educadores de infância que recorrem ao meio digital em atividades que organizam e desenvolvem, destinando-se o programa a promover literacia e inclusão e, como refere a DGE, na informação enviada às direções de AE/ENA, sendo a primeira etapa, a decorrer durante o mês de janeiro, “fundamental para que os docentes possam participar, posteriormente, em formação específica e, deste modo, promover o seu desenvolvimento profissional”, não se compreendem os motivos da exclusão dos docentes de educação pré-escolar.

Muitos têm sido os educadores que contactaram os Sindicatos da Fenprof manifestando forte descontentamento por esta discriminação, de facto, incompreensível. No entanto, antes de tomar qualquer posição pública e admitindo que possa existir uma razão atendível para a exclusão de alguns docentes de um plano que se afirma orientado para a promoção da inclusão, a Fenprof solicitou informação sobre a decisão que foi transmitida às escolas, declarando que, na sequência do esclarecimento que venha a ser recebido (ou na sua ausência), tomará posição.