Fim das BCE! - Posição da FENPROF

Partilha

RR3 que confirma:

confusão e atraso na colocação de professores só se resolverá com o fim das BCE

Foram colocados 1.318 professores. Os professores poderão apresentar-se até segunda, dia 28. Estes docentes poderão implicar em mais de 130.000 alunos que ainda não têm as aulas todas. As aulas iniciaram-se, já com o atraso decorrente do próprio calendário escolar, em 21 de setembro.

Neste momento, continua a desconhecer-se quantos professores foram  colocados nas BCE e por contratação de escola (CE), pelo que a FENPROF reforçou hoje o pedido à Diretora-Geral da DGAE de publicitação dessas colocações de forma centralizada. Conhece-se, apenas, o número de professores que, por colocação em BCE ou CE, foram retirados da RR. O que se sabe é que, depois da Contratação Inicial e já no âmbito das Reservas de Recrutamento (RR), tivemos as seguintes colocações:

 

 

 

 

Foram retirados da RR para BCE, até à RR indicada

 

 

Foram retirados da RR para Contratação de Escola, até à RR indicada

 

 

RR1

 

914

 

898

 

57

 

RR2

 

2 011

 

364

 

29

 

RR3 – hoje, 24/set

 

1 318

 

824

 

107

 

 

Este quadro permite perceber como o ciclo das BCE aumenta depois de baixar do 1.º para o 2.º momento. E é esse ciclo que leva a que também na RR3 haja um aumento de colocações. É que, para além dos 931 (824+107) retirados da RR entre a RR2 e a RR3, há muitos outros que já tinham sido colocados, em contratação inicial ou em RR anterior, e que, sendo, entretanto colocados em BCE, aceitaram essa colocação e fizeram aumentar o número de colocações nesta RR3.

Esses, que já estavam colocados, não foram retirados agora da RR, pois tal já tinha acontecido no momento da sua colocação anterior. Daí decorre que alunos que já tinham professores que, inclusivamente, tinham preparado o ano letivo em determinada escola ou agrupamento, mudem depois de escola. Este é um dos problemas das BCE, para além da falta de transparência e de não respeitarem a graduação profissional dos candidatos. De facto, as BCE atrasam a colocação de professores e retiram das escolas docentes já antes colocados. Quanto à RR3, de hoje, falta saber quantos irão aceitar a colocação obtida agora e, desses, quantos ainda desistirão se forem colocados, mais tarde, através de BCE.

É esta situação anómala e confusa que o MEC considera normal, mas que leva a FENPROF a exigir o fim das BCE e a colocação, apenas, por lista nacional em que os candidatos se encontram ordenados por graduação profissional. Essa exigência será apresentada à próxima equipa ministerial para que, no próximo ano letivo, não se assista a esta “dança de cadeiras”. Portanto, a colocação de docentes, este ano, não foi diferente da que ocorreu o ano passado, apenas não tivemos o erro então cometido e que levou à demissão de um Diretor-Geral e a um pedido de desculpas do Ministro.

Relativamente aos docentes com horário-zero, neste momento, após a RR3, mantêm-se ainda por colocar 279. Falta, porém, saber quantos foram colocados em horários temporários e, por essa razão, não se encontram livres de, em 1 de fevereiro, serem transferidos para a Requalificação.

O Secretariado Nacional