MODELO INTEGRADO DE AVALIAÇÃO EXTERNA DAS APRENDIZAGENS NO ENSINO BÁSICO

Partilha

Fenprof saúda Proposta de Sistema de Avaliação do Ensino Básico apresentada pelo ME

Quando em Dezembro enviámos aos nossos associados, por esta via, os habituais votos de Boas Festas, expressámos então os votos de “renovadas esperanças para 2016”, a que associámos a frase “Por um futuro mais justo, melhor escola”. Se é certo que estas expressões continham o nosso sincero desejo, é também verdade que, de forma bem mais vincada que no passado recente, ao desejo se associava uma muito maior esperança da sua concretização, fruto de uma nova conjuntura política, quer parlamentar quer governativa.

Foi, pois, com satisfação mas sem surpresa que na passada semana ficámos a saber da decisão do ME de extinguir o processo de recrutamento de docentes designado por BCE – Bolsa de Contratação de Escola (ver e-mail enviado no passado dia 7).

Ora, o mesmo se pode dizer de uma nova decisão da equipa de Tiago Brandão Rodrigues, conhecida na passada 6.ª feira, ao apresentar a sua Proposta de Sistema de Avaliação do Ensino Básico [Nota: Documento enviado às Escolas e Agrupamentos, o qual é ligeiramente diferente do divulgado no comunicado do ME], uma proposta que o SPN e a Fenprof acolhem igualmente com grande satisfação e que, aliás, vai exactamente na linha da posição que, sobre a matéria, fora no mesmo dia remetida pela Fenprof à Comissão de Educação e Ciência da Assembleia da República, no âmbito da consulta por esta promovida.

O bom acolhimento da proposta ministerial por parte do SPN e da Fenprof fica claramente expresso em dois comunicados, um sobre a eliminação das provas finais de 4.º e 6.º anos de escolaridade e um outro especificamente sobre a suspensão do exame de Inglês PET / Cambridge, após dois anos da sua aplicação sob forte e generalizada contestação, de que foi exemplo maior a muito participada greve a toda a actividade relacionada com este exame, abrangendo tanto as sessões de formação, presencial ou a distância, como as sessões de oralidade, como, evidentemente, o exame escrito. Obviamente, essa forte luta da classe docente, promovida pela Fenprof em conjunto com várias outras organizações sindicais, muito contribuiu para expor as fragilidades e o absurdo de tal exame e só assim este desenlace se tornou possível.

Saudações sindicais!

'A Direcção


O Ministro da Educação fez chegar às escolas um documento, sob a forma de uma proposta, que tem por objetivo introduzir alterações no modelo de avaliação dos alunos do ensino básico.

Notas fundamentais:

  • estão descontinuados os exames de 4º e 6º anos;
  • é criado um sistema de provas de aferição a aplicar nos 2º, 5º e 8º anos.

Consulte o documento em formato pdf:  Download