A Educação Pré-escolar em tempo de Covid-19

Partilha

6 de abril de 2020

A Educação Pré-escolar em tempo de COVID-19

Numa altura em que tudo o que era entendido como organização em contexto escolar se alterou de forma significativa e num momento em que se ouve falar de soluções assentes no denominado “ensino a distância”, compete-nos não descurar a importante ligação que é necessário manter com as crianças e as suas famílias no que à Educação Pré-Escolar respeita.

Numa primeira instância, importa garantir que a COVID-19 não se transforma em momentos de angústia para as crianças, mas que, pelo contrário, num tempo diferente e que exige atenção e responsabilidade, se traduza, através da ligação do/a Educador(a) de Infância com as famílias, num tempo de tranquilidade. Como é evidente, não compete à FENPROF substituir-se ao Ministério da Educação.

Ainda assim, entendemos que as/os Educadoras/es de Infância devem procurar garantir que a resposta a dar, neste contexto, a nível da Educação Pré-Escolar passa sempre por uma reflexão em reunião de departamento, online, naturalmente, em que devem ser discutidas a(s) melhor(es) forma(s) de manter a ligação acima referida e defendidas essas soluções junto das direcções dos agrupamentos.

Escusado será falar da importância das rotinas diárias e do cumprimento de regras, que, para além de contribuírem para o bem-estar das crianças, criam importantes oportunidades de aprendizagem e permitem a consolidação das aprendizagens realizadas no jardim-de-infância, neste caso num contexto diferente: em casa. Mas a realidade imposta pela COVID-19 impõe-nos que saibamos encontrar soluções ajustadas e adequadas que garantam manter, com as famílias, uma dinâmica que permita o acompanhamento das mesmas, contribuindo assim para o melhor desenvolvimento das crianças e proporcionando-lhes condições que lhes permitam também ser proactivos nas propostas de actividades. Este é portanto um tempo de novos desafios. Porque para a Educação Pré-Escolar não haverá "ensino a distância", mas também porque, enquanto Educadoras/es de Infância, temos de garantir que nenhuma estratégia adoptada coloque em risco a privacidade das crianças ou das suas famílias.

A FENPROF entende que o ME deverá informar quais as plataformas digitais de comunicação que devem ser utilizadas para a articulação com as famílias, garantindo uma efectiva privacidade. Por último, o ME deve garantir que não seja imputada qualquer responsabilidade aos docentes da Educação Pré-Escolar pelo facto de, por indisponibilidade de meios, nomeadamente da parte das famílias, mas não só, não puder adoptar determinadas estratégias.

Júlia Vale, in #FENPROFemtuacasa

Nota: O texto acima não respeita o Acordo Ortográfico de 1990, vulgo Novo Acordo Ortográfico.