FENPROF lança abaixo-assinado exigindo um amplo debate nacional sobre reorganização curricular

Partilha


Da parte do MEC, nada se confirma, como nada se desmente, mas este ruído já posto a circular começa a criar preocupações fortes nos docentes, nos pais e, de uma forma geral, nas comunidades educativas.

Está claro que em cima da mesa não está a possibilidade de uma reorganização curricular a sério, de acordo com as necessidades efetivas do sistema educativo e da sociedade portuguesa, mas diversas “mexidas” que pretendem apenas reduzir horas letivas para, assim, reduzir o número de professores das escolas. O orçamento de agressão recentemente aprovado pela maioria PSD/CDS é nisso muito transparente: com estas alterações nos currículos é necessário reduzir 102 milhões de euros, o que corresponde a muitos milhares de docentes.

A FENPROF recusa esta lógica economicista também na definição e organização dos currículos, pelo que lança, a partir de hoje, um abaixo-assinado (em anexo, e disponível para subscrição on-line) que irá circular nas escolas até 15 de janeiro, exigindo um amplo debate em torno desta matéria.

Em janeiro, as assinaturas serão entregues no MEC. Enquanto as assinaturas são recolhidas, a FENPROF estabelecerá contactos diversos com associações profissionais e científicas, confederações de pais e outras organizações que considere relevantes neste processo.

O Secretariado Nacional da FENPROF
2/12/2011