Já ninguém quer ser professor

Partilha

29 de outubro de 2019

Já ninguém quer ser professor

Crónica "Megafone", de José André Costa, no Jornal Público (Edição de 18 de maio de 2019)

Em Portugal, 48% dos professores têm 50 ou mais anos. Ensinam por paixão e devoção numa profissão em que o melhor do mundo são mesmo as crianças.

E também ensinam por falta de uma alternativa viável num país onde o professor é visto como apenas capaz de ensinar e pouco mais, sendo o desemprego a única saída. O desemprego ou a emigração.

E como ninguém quer ficar desempregado ou ver-se forçado a deixar tudo para trás, os professores ensinam, sujeitando-se a contratos temporários, viajando por todo o país todos os anos, ensinando em duas ou três escolas ao mesmo tempo, agora substituindo um colega de baixa no Algarve e no mês a seguir outro colega em Bragança, prescindindo de uma casa, família e filhos em prol das casas, famílias e filhos dos outros, lutando dia após dia no sentido de preparar crianças, adolescentes e adultos para os desafios de um mundo em tudo distante da ilusão das redes sociais.

Tudo isto apesar da constante ameaça física e psicológica de alunos e pais em escolas onde as direcções se trancam a sete chaves, longe dos professores, dos mesmos alunos e respectivos pais, cabendo aos auxiliares a inglória tarefa de arriscar a integridade física em casos de autêntica polícia, de modo a salvar professores em apuros e chamar alunos à razão. Em casos de autêntica polícia, em que o aluno é sempre a vítima e o professor o culpado. Culpado porque incapaz, por si só, de resolver todos os dramas sociais de turmas inteiras onde grassam a violência doméstica, a toxicodependência, o desemprego, divórcios, perda de familiares e amigos directos. Culpado por não ser o pai e a mãe, o irmão e a irmã, o psicólogo e o assistente social, o super-herói de todos os alunos de todas as escolas de todo o país. 

Tudo isto por apenas 1200 euros por mês, na melhor das hipóteses, isto é, no caso de de um horário completo, o qual é a excepção e nem por isso a regra para quem, apesar de leccionar há mais de 20 anos, ainda está no início da carreira, fruto da não vinculação e permanente precariedade sem esquecer o congelamento das carreiras para quem, ao fim de 30 anos, teve finalmente a sorte, e sublinho aqui a palavra sorte, de vincular em Quadro de Zona mesmo a tempo da, há muito desejada, reforma.

Quando, há 20 anos e a meio do curso universitário, decidimos, erradamente, enveredar pelo ramo de ensino, os nossos professores juraram a pés juntos haver emprego à espera. Não demorou um ano após o fim do curso para nos vermos na condição de desempregados. Vergados, humilhados, preocupados para não dizer desesperados, sujeitámo-nos a tudo. Sujeitámo-nos à degradação do ensino em Portugal. As nossas agruras fizeram manchete nos jornais, ano após ano, entre agressões, internamentos hospitalares, perseguições da parte de alunos e encarregados de educação, instabilidade, falta de meios de subsistência onde as nossa famílias, perdão, os nossos pais, foram, e ainda são, a tábua de salvação porque o dinheiro não chega, nunca chegou, não vai chegar. Deste modo passando a toda uma nação a imagem de uma carreira que ninguém quer ter, e não os censuro. Se nos tivessem dito a tempo, também não quereríamos.

Passados 20 anos, contamos pelos dedos os professores com menos de 30 anos a leccionar em Portugal. Mil num universo de mais de 126.000 professores. Menos de 1%. E daqui por dez anos, 48% destes 126.000, mais coisa menos coisa 60.000 professores, estarão na reforma ou a caminho da 

Conclusão: daqui por dez anos, precisaremos urgentemente de 60.000 professores. Ou talvez não. Talvez as turmas aumentem um pouco mais, quem ensina 30 alunos também ensina 40. Tantos professores a menos naquela que é a maior classe profissional do Estado será sempre visto como uma oportunidade para melhorar a gestão de recursos, ao mesmo tempo promovendo e reforçando os contratos de associação com estabelecimentos de ensino privado, tão recentemente criticados e, daqui por dez anos, dados como a única “alternativa viável”.

Porque, entretanto, não haverá mais professores licenciados. Não numa terra onde a formação é vista não como um investimento no futuro de todos mas antes uma ameaça a quem está directamente acima. Dependendo de muitos dirigentes, rapidamente voltaríamos todos a assinar de cruz. Daqui por dez anos estaremos mais perto deste objectivo.