Mega-agrupamentos: SPN na C. M. de Guimarães

Partilha

SPN recebido pela Vereadora da Educação da Câmara Municipal de Guimarães

 

No âmbito do acompanhamento e avaliação do processo de agregação de escolas, nomeadamente com os últimos desenvolvimentos que aceleraram esse processo, em particular no concelho de Guimarães, cuja dimensão (14 Agrupamentos de Escolas e 3 Escolas Não Agrupadas) levou o SPN a solicitar uma reunião à Câmara Municipal de Guimarães.

A delegação do SPN, constituída por Davide Dias, do grupo de trabalho da Gestão, que teve a seu cargo a apresentação dos resultados da avaliação ao processo de agregação das escolas, acompanhado por Osvaldo Ramos, da Delegação local do SPN, foi recebida pela Drª Francisca Abreu, na qualidade de Vereadora da Educação, no passado dia 28 de dezembro de 2012, pelas 11h00.

Deste debate, o SPN registou a firme oposição da Câmara Municipal de Guimarães, na pessoa da sua vereadora, ao modo, à substância e aos princípios subjacentes à constituição dos mega-agrupamentos, bem como a comunhão de princípios com os diretores e os presidentes dos conselhos gerais e do Conselho Municipal de Educação, na defesa dos critérios usados em prol do argumentário apresentado em maio/junho do presente ano, à DREN, a par da ausência de factos novos que pudessem alterar tal posição de princípio.

O SPN reafirmou o empenho pessoal e institucional no desenvolvimento de ações que os diversos intervenientes educativos, professores, pais, encarregados de educação, alunos, instituições locais e outros parceiros, em articulação e comunhão de objetivos, decidam vir a promover visando a contestação a este processo, que segundo a Drª Francisca Abreu não está ainda encerrado, à luz da própria legislação.

A delegação do SPN teve ainda a oportunidade de assumir a sua posição de frontal discordância face a este processo, que conduz a uma maior desumanização, à descaracterização e ao prejuízo para a identidade de pertença e sentido de comunidade educativa.

A defesa destes princípios foi alicerçada nos dados de avaliação e acompanhamento feitos pelo SPN, junto das escolas entretanto agregadas, pelo que, a delegação do SPN entregou à Drª Francisca Abreu uma cópia deste estudo.

No final, o SPN, embora reconhecendo o papel charneira da comunidade educativa e instituições do meio local na contestação deste processo, não deixará jamais de levantar a sua voz, mantendo acesa a chama da discordância a um processo de reorganização da rede escolar, claramente negativo para a escola, para a comunidade educativa em geral e para os alunos, em particular.

28 de dezembro de 2012

A Direção do

Sindicato dos Professores do Norte