PROFESSORES DESRESPEITADOS E AGREDIDOS

Partilha

Num momento em que têm vindo a público notícias de várias agressões exercidas sobre professores na área do Porto, o Sindicato dos Professores do Norte manifesta a sua preocupação por estas ocorrências, que confirmam uma tendência de agravamento dos problemas de indisciplina e violência nas escolas.

 

O SPN considera que, apesar de não dever ser criado um clima de alarmismo em torno deste problema, é necessário que a opinião pública tenha conhecimento desta realidade que marca o dia-a-dia de muitas escolas e o quotidiano profissional de muitos docentes.

 

As causas para este fenómeno são múltiplas e têm a ver, sobretudo, com questões de ordem geral, relacionadas com profundas alterações no plano social e familiar e com o alastramento de situações de marginalidade e pobreza na sociedade portuguesa.

 

Mas também é cada vez mais evidente que o acréscimo deste tipo de situações tem a ver com o momento que atravessa a profissão docente, recorrentemente desrespeitada e desvalorizada, a que não é alheia a política da actual equipa do Ministério da Educação, que tem contribuído grandemente para acentuar uma imagem pública negativa dos professores e educadores e do trabalho que realizam.

 

A assunção de que se está perante um problema que não pode ser ignorado coloca na ordem do dia a necessidade de medidas urgentes que garantam aos docentes a imprescindível segurança no exercício da sua profissão. Essas medidas passam, no essencial, por respostas políticas, sociais e económicas que atalhem a desigualdade crescente e melhorem as condições de vida dos portugueses. Mas há medidas que passam pela escola: é necessário maior autonomia para as escolas para que possam responder de forma diversa aos problemas com que as comunidades locais se confrontam, adequando as condições de ensino e aprendizagem às características específicas da sua população escolar - desdobrando turmas, trabalhando com grupos mais pequenos, criando equipas multidisciplinares, com técnicos, psicólogos e assistentes sociais, que trabalhem de forma articulada na identificação de situações, causas e respostas para os casos de indisciplina e violência.

 

A Direcção do SPN expressa pública solidariedade a todos os professores que vivem momentos difíceis e que apenas querem exercer condignamente e em segurança a profissão que abraçaram, e declara o seu apoio a todas as iniciativas que as comunidades educativas desenvolvam no sentido da exigência de tomada de medidas urgentes que ponham cobro a situações insustentáveis de insegurança nas escolas.

 

Para este efeito, a Direcção do SPN considera que é imperioso que o ME reveja e inverta a atitude desvalorizadora e desrespeitadora que vem demonstrando relativamente aos educadores e professores portugueses.

 

Porto, 05.03.2007

A Direcção