UTAD mais pandémica que a pandemia

Partilha

6 de julho de 2020

UTAD mais pandémica que a pandemia − o estado de direito fica à porta

As instituições de ensino superior, cada vez mais, exploram os docentes convidados, precários por condição. A UTAD é exímia na tarefa.

Primeiro, deixou de fazer contratos anuais a muitos convidados – são vários os casos em que os contratos começam depois de os docentes já estarem a trabalhar e cessam antes de terminarem os exames, fazendo frequentemente com que estes colegas docentes, obrigados pela condição precária e pela expectativa de terem novo contrato no semestre ou no ano seguinte, trabalhem involuntariamente pro bono entre contratos. Quando há novos contratos, a UTAD preocupa-se em fazer alterações na percentagem contratual, como para que não se possa um dia alegar que aqueles trabalhadores correspondam a necessidades permanentes (isto aconteceu sobretudo após alguns docentes terem ousado submeter requerimentos ao PREVPAP, sonhando com a regularização dos seus vínculos contratuais).

Depois, totalmente à margem da lei, não aplica a carga letiva estipulada pelo ECDU e obriga um docente contratado a 50% a cumprir cargas letivas semelhantes (e não proporcionais) às dos docentes de carreira, pagos a 100% e com exclusividade (e assim, com um só salário de um docente de carreira consegue obter e pagar o trabalho de três docentes precários). Adicionalmente, não paga devidamente o subsídio de alimentação nem a compensação por caducidade dos contratos a termo. Isto é mais que saber poupar.

Não fosse suficiente, a UTAD parece agora não querer sequer permitir que estes docentes precários gozem as férias a que têm direito.

Com a declaração do estado de emergência, a UTAD encerrou fisicamente entre 16 e 27 de março. Na sequência do Despacho reitoral 12/2020, os Presidentes de Escola determinaram que, nesse período, os docentes deviam “dar continuidade ao processo de ensino-aprendizagem em cada unidade curricular, promovendo o estudo autónomo, incentivando a realização de trabalhos individuais, de leitura, entre outros, recorrendo aos recursos disponíveis” e que diligenciassem “a preparação da atividade letiva à distância” além de outras indicações para preparem as aulas não presenciais. E as pessoas continuaram, naturalmente, a trabalhar a apoiar os estudantes num período crítico para todos.

Como todos sabemos, a pandemia atrasou em muitas instituições o trabalho letivo e não letivo. Neste contexto, muitos docentes contratados aspiravam ver os seus contratos estendidos pelo menos até final de todas as atividades. Mas não. Não só estão a ver os seus contratos caducar como foram informados, já em junho, que tinham tido férias entre 16 e 27 de março, por ter havido interrupção letiva. Sim, a posteriori. Sim, mesmo quando as pessoas continuaram a trabalhar. Sim, mesmo quando já tinham tido férias aprovadas para junho ou julho. Nem as instituições do ensino privado tiveram tal audácia.

Além de ser manifestamente ilegal, não é moralmente aceitável que uma instituição pública se arrogue o direito de cercear os direitos dos trabalhadores. Esta atitude revela um desprezo absoluto pelos docentes que constituem um dos pilares fundamentais da Universidade. Se não corrigir esta situação, a UTAD vai revelar um espírito mesquinho e nada solidário, mormente no contexto da grave crise pandémica que vivemos.

O Reitor da UTAD, enquanto Presidente do CRUP, tem responsabilidades acrescidas, na medida em que deve velar para que as Universidades sejam um paradigma da aplicação da lei. Não é aceitável que num estado de direito constitucional os gestores de instituições públicas, por razões economicistas, desvalorizem os direitos dos trabalhadores, limitando-os pela economia ou pelas finanças das instituições.

Entretanto, fica patente que, para além do problema grave da pandemia, a comunidade académica ainda tem de lidar com a falta de sentido de comunidade de alguns dos seus dirigentes que, no estado de exceção que vivemos, parecem querer excecionar todo o bom senso que a governação em tempos de crise exige.

O Sindicato dos Professores do Norte, não afastando a possibilidade de agir legalmente de outra forma, vem assim denunciar esta inaceitável decisão e apelar que a comunidade se mantenha alerta para denunciar tentativas, como esta, que atentam contra os mais elementares direitos dos trabalhadores.

Departamento do Ensino Superior
Sindicato dos Professores do Norte

 


Outras posições do SPN: https://www.spn.pt/superior