Nota à Comunicação Social

Partilha

Sindicato dos Professores do Norte / FENPROF

COMUNICADO DE IMPRENSA

ESE do IPBragança

Quando a Direcção da ESE do IPB pretende substituir por docentes sem qualquer tipo de experiência, cinco outros docentes que a Escola admitiu por concurso, e a quem justamente reconhece competência nos planos científico e pedagógico porque deram provas ao longo de 7 a 12 anos de exercício na sua Escola, a Direcção da ESE do IPB:

-         está a prestar um mau serviço ao país e à região;

-         está a ter uma visão estreita sobre o que é uma Escola e sobre qual o seu papel;

-         está a negar na prática o projecto de Escola que diz defender;

-         está a dar um passo no sentido de comprometer aquilo que na opinião pública tem aparecido como uma bandeira da região, a passagem do IPB a universidade.

Nós, Direcção do SPN, não temos qualquer dúvida em dizer claramente que:

·         A gestão de uma Escola no Ensino Superior não pode ser feita à imagem o semelhança de um qualquer ?negócio de vão de escada?.

·         Numa instituição de Ensino Superior a qualificação dos seus docentes é um factor condicionante e estruturante básico do seu adequado funcionamento e do prestígio que tem perante a comunidade académica e a sociedade.

Nós, Direcção do SPN, questionamos muito frontalmente:

·         Que paradigma de educação e de formação se está a defender quando se consideram os educadores como peças descartáveis de uma máquina? 

Temos presente que nos foi directamente afirmado pela Direcção da ESE do IPB que:

-      não havia qualquer tipo de questões pessoais que influíssem na tomada de posição adoptada;

-      que não está em causa a competência científica e pedagógica dos docentes envolvidos, facto que é confirmado pelo teor das actas do Conselho Científico da ESE/IPB

Temos presente que também nos foi directamente afirmado pelo Senhor Presidente do IPB que (estes docentes requisitados) ?são caros?

·         Tomando isto como exemplo, questionamos também se, a prosseguir nesta linha e para embaratecer custos, será ainda admissível para a ESE/IPB vir um dia a deslocalizar a instituição, sediando-a num qualquer país do 3º mundo, onde a mão de obra seja mais barata?

Porque acreditamos que não será esta a linha de orientação estratégica que a Direcção da ESE e à Presidência do IPB pretendem imprimir, e que pelo contrário, estão apostadas na melhoria da qualificação do seu corpo docente e na melhoria da qualidade do serviço que prestam á região, sugerimos pois à Direcção da ESE e à Presidência do IPB que:

-         procurem conhecer como, em idênticas circunstâncias, são resolvidas as mesmas situações nas outras Escolas (ESE?s e não só);

-         encontrem para esta situação uma saída que prestigie a sua instituição e seja condigna com o mérito científico e pedagógico que, formalmente, reconhecem aos docentes envolvidos.

Será essa a forma de prestigiar as instituições, de contribuir para o desenvolvimento do sistema de Ensino Superior, e para a afirmação do IPB muito em particular. É essa a nossa intenção ao promovermos esta conferência de imprensa.

Bragança, 20/5/2002

A Direcção do Sindicato dos Professores do Norte