Porto e Aveiro com "Os Professores na Campanha" (28/fev)

27 de fevereiro de 2024

Porto e Aveiro na despedida do Norte da iniciativa "Os Professores na Campanha", com a exigência de uma formação de qualidade.

  • Porto, com concentração na Praça Pedro Nunes, pelas 10 horas.
  • Aveiro, com concentração na Praça da República, pelas 15 horas.

Dia 2 — “Os Professores em Campanha” em terras transmontanas (27/fev)

[Clicar nas imagens.]

Bragança


Vila Real


23 de fevereiro de 2024

Vila Real e Bragança são os distritos visitados pela iniciativa "Os Professores na Campanha", com o tema do  envelhecimento e aposentação.

  • Vila Real, com concentração na Avenida Carvalho Araujo, pelas 10 horas.
  • Bragança, com concentração na Praça da Sé, pelas 15 horas.

h


23 de fevereiro de 2024

Viana do Castelo e Braga marcam o início da iniciativa “Os Professores na Campanha” que durante os dez dias úteis de campanha eleitoral, percorrerá o país de norte a sul e também as regiões autónomas.

Dedicado às condições de trabalho dos docentes, onde relevam os abusos e ilegalidades nos horários de trabalho, a sobrecarga de trabalho burocrático ou o excessivo número de alunos por turma, a campanha terá o seu início em:

  • Viana do Castelo, com concentração no Passeio das Mordomas da Romaria (em frente à Câmara Municipal), pelas 10 horas.
  • Braga, com concentração na Arcada, Avenida Central, Praça da República, pelas 15 horas.

Dia 1 — Viana e Braga no arranque da iniciativa “Os Professores em Campanha” (26/fev)

[Clicar nas imagens.]


Braga


Viana do Castelo


Todos os dias se realizarão duas iniciativas, por norma, às 10h e às 15h, em local público. Com a presença de educadores e professores na rua, será distribuído um texto à população, terão lugar intervenções que, para além dos problemas gerais, abordarão um tema específico em cada um dos dias, e será aprovada uma Tomada de Posição a enviar aos partidos políticos.


06 de fevereiro de 2024

“Os Professores na Campanha” (26/fev a 8/mar)

Os educadores e professores estarão na rua em todos os dias úteis da campanha eleitoral para reclamarem políticas e medidas que na próxima legislatura deem resposta aos problemas que afetam a profissão e criam dificuldades à organização e funcionamento da Escola Pública, uma das maiores e mais significativas conquistas de Abril e da nossa Democracia.


  


As concentrações serão diárias, de distrito a distrito, percorrerão o país, do Minho ao Algarve e também nas regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Assim, para cada capital de distrito e para as das regiões autónomas serão convocados plenários distritais de educadores e professores, em local público, que em breve será divulgado. Em várias capitais, para além da concentração e do plenário, realizar-se-ão desfiles de “Professores na Campanha”, com a distribuição à população de um folheto informativo e afixação uma faixa da campanha em local de grande visibilidade.

A campanha dos professores obedecerá ao seguinte calendário, respetivamente às 10:00 e 15:00 horas, com exceção de Funchal e Ponta Delgada em que serão ambas às 10:00 horas:

  • 26/fev Viana do Castelo | Braga — Condições de trabalho 
  • 27/fev Vila Real | Bragança — Envelhecimento e aposentação
  • 28/fev Porto | Aveiro — Formação de qualidade
  • 29/fev — Viseu | Guarda — Papel dos professores no combate ao discurso do ódio
  • 01/mar — Coimbra | Leiria — Precariedade
  • 04/mar — Castelo Branco | Portalegre —  Mobilidade por doença (MpD)
  • 05/mar — Santarém | Lisboa — Falta de professores
  • 06/mar — Setúbal | Évora —  Carreira docente
  • 07/mar — Beja | Faro — Educação inclusiva
  • 08/mar — Funchal | Ponta Delgada —  Financiamento da Educação

Para além das reivindicações gerais que estarão presentes nas intervenções e na tomada de posição que será posta à votação para entrega aos partidos políticos em cada distrito, haverá, em cada concentração, um problema concreto que será destacado, com a apresentação das propostas que a Fenprof tem para o solucionar. A entrega da tomada de posição, em cada distrito, será feita posteriormente pelas direções distritais dos respetivos Sindicatos.

Os problemas que mais importa evidenciar na campanha, temas incontornáveis para a Escola Pública e para a situação atual da profissão docente, serão aqueles que têm estado no topo dos protestos dos educadores e professores, tais como a falta de professores, carreira docente (que inclui o tempo de serviço, mas não só), condições de trabalho (que incluem horários), aposentação, precariedade, formação de professores, financiamento da Educação, educação inclusiva, mobilidade por doença ou, dando expressão à campanha da Unesco lançada no Dia Internacional da Educação, o papel dos professores no combate ao discurso de ódio. A distribuição por cada um dos dias será oportunamente divulgada.

Anexos

Os professores na campanha (cartaz)

Partilha