2.º e 3.º CEB — SPN assinala regresso ao ensino presencial

5 de abril de 2021

O SPN assinalou, junto do Conservatório de Música do Porto e da EBS Rodrigues de Freitas, o regresso ao ensino presencial dos 2.º e 3.º ciclos do ensino básico, juntando-se, assim, ao 1.º ciclo e educação pré-escolar que regressaram às escolas no dia 15 de março, num total de cerca de 500 mil alunos e 150 mil docentes e trabalhadores não docentes. Esteve presente uma delegação sindical, assim como professores de ambas as escolas. Este regresso está a acontecer com a normalidade que era espectável e maiores condições de segurança, uma vez que, tal como sempre defendeu o Sindicato, está em curso um processo alargado de testagem e vacinação.

Para o SPN, agora é tempo de resolver os problemas que afetam os docentes nos seus direitos e nas suas condições de trabalho, que são muitos e se têm agravado ao longo dos últimos dois anos letivos, por incapacidade dos responsáveis do Ministério da Educação (ME) para dialogar e negociar soluções que lhes deem resposta. Há quatro domínios principais sobre os quais o SPN/Fenprof tem insistido junto do ME e que levam os educadores e professores a manifestarem-se, em Lisboa, no próximo dia 17 abril: carreira docente; horários e outras condições de trabalho; aposentação e rejuvenescimento da profissão; combate à precariedade e regime de concursos justo.

[clicar nas fotos]

Reportagem fotográfica de HB


Também a Delegação do SPN/Póvoa de Varzim quis assinalar este regresso ao ensino presencial na EB23 Júlio Saúl Dias.

[clicar nas fotos]

Declarações do Secretário-geral da Fenprof

15 de março de 2021

Em dia de regresso às creches, jardins-de-infância e escolas do 1.º ciclo do ensino básico, o SPN esteve presente na EB do Bom Sucesso, no Porto.

Para António Baldaia, coordenador do 1.º CEB do SPN, este foi um regresso tranquilo e desejado pelos alunos e pelos educadores e professores, realçando, no entanto, as preocupações destes quanto ao cumprimento das condições sanitárias e às questões pedagógicas. Por seu turno, Manuela Mendonça, coordenadora do Sindicato, referiu a enorme expetativa que os professores têm quanto ao cumprimento de mais uma promessa do Ministério da Educação relativa à testagem e à vacinação, que, de acordo com o anunciado hoje (15 de março), pelo ME, terá início no próximo fim de semana. Por enquanto, o facto de os educadores e professores, assim como os outros profissionais da educação, terem regressado sem que qualquer testagem prévia tivesse sido realizada, como seria desejável, não constitui grande augúrio.

[clicar nas fotos]

Reportagem fotográfica HB

 

Para o SPN é fundamental que as escolas não voltem a encerrar e que o ensino presencial não seja, mais uma vez, substituído por soluções de emergência que prejudicam aprendizagens, cavam desigualdades e arrastam consigo problemas acrescidos.

Declarações do Secretário-geral da Fenprof

13 de março de 2021

SPN acompanha educadores e professores no regresso ao ensino presencial (15/mar)

 

Porto, 15 de março, 8:30h

EB Bom Sucesso (Rua Barbosa do Bocage), Porto

Estarão presentes, entre outros, António Baldaia (coordenador do 1.º CEB) 
e Manuela Mendonça (coordenadora do SPN)

 

A partir de 15 de março (segunda-feira), os estabelecimentos de educação pré-escolar e as escolas do 1.º ciclo do ensino básico reabrem, dando início a um processo faseado de regresso ao ensino presencial. Admitindo que o calendário respeita a opinião dos peritos e especialistas em saúde pública, as questões que se colocam são, principalmente, de prevenção e segurança sanitária, uma vez que estamos longe de nos vermos livres da grave situação epidemiológica que afeta o país, como confirma o que se passa em outros países, onde parece estar a iniciar-se uma nova vaga de Covid-19.

Para o SPN é fundamental que as escolas não voltem a encerrar e que o ensino presencial não seja, mais uma vez, substituído por soluções de emergência que prejudicam aprendizagens, cavam desigualdades e arrastam consigo problemas acrescidos. Mas, para isso, é necessário reforçar medidas sanitárias que no 1.º período foram insuficientes para evitar que a Covid-19 tivesse entrado em 2832 estabelecimentos públicos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário.

No aspeto pedagógico deverão ser prioritários os apoios reforçados, que implicam um reforço do número de professores nas escolas, ou a avaliação dos alunos num ano em que as quebras de equidade foram ainda mais profundas.

Outras presenças dos Sindicatos que constituem a Fenprof:

Lisboa: 8h30, Escola Básica Bairro São Miguel – EB1 / JI (AE Rainha Dona Leonor) - Bairro de Alvalade. Estarão presentes Mário Nogueira (Fenprof) e José Costa (SPGL)
Coimbra: 8h30, CE Montes Claros. Estarão presentes Anabela Sotaia e João Louceiro (SPRC)
Évora: 8h30, CE Galopim de Carvalho. Estará presente Manuel Nobre (SPZS)
Faro: 8h30, EB1/JI do Carmo. Estará presente Ana Simões (SPZS)


12 de março de 2021

Regresso às escolas – Abrir para não fechar!

Em entrevista à RTP3, o Secretário-geral da Fenprof pronunciou-se sobre o Plano de Desconfinamento da economia portuguesa e as novas regras para o ano letivo aprovadas pelo Conselho de Ministros que cancelam os exames do 9.º ano e definem que o acesso ao ensino superior faz-se apenas com as provas de ingresso que os alunos que necessitem.

 

Partilha